A acessibilidade é um direito de todos os cidadãos

A acessibilidade é um direito de todos os cidadãos.

Apesar disso, verifica-se que em muitas situações esta componente não é devidamente considerada nos diferentes projetos que condicionam a vida quotidiana, sendo facilmente esquecido o conjunto de pessoas com mobilidade condicionada que detêm os mesmos direitos que a restante população.

O universo das pessoas com mobilidade condicionada inclui uma parte significativa da população, uma vez que, para além das pessoas portadoras de uma deficiência, engloba também as pessoas que, no seu percurso de vida, se apresentam transitoriamente condicionadas, como sejam as grávidas, as crianças ou os idosos.

A cidade de Castelo Branco, ainda que jovem e dinâmica, enquadra-se numa região caracterizada por uma forte diminuição populacional e pelo envelhecimento demográfico significativo. Em 2011, residiam na cidade de Castelo Branco cerca de 34.600 habitantes, dos quais 16% tem 65 ou mais anos. Ainda de acordo com os últimos Censos (2011), cerca de 14% da população residente na freguesia de Castelo Branco (com idade superior a 4 anos) tinha muita dificuldade ou não conseguia realizar uma ou várias das seguintes ações: ver, ouvir, andar ou subir degraus, memória ou concentração, tomar banho ou vestir-se sozinho e compreender os outros ou fazer-se compreender.

No sentido de se dotar de um instrumento de planeamento e gestão que permita a identificação das ações necessárias para a eliminação das barreiras à acessibilidade (e respetiva prioridade) e que oriente a qualidade de futuras intervenções a realizar neste domínio na cidade de Castelo Branco, entendeu a Câmara Municipal elaborar o Plano Local de Promoção da Acessibilidade (PLPA) de Castelo Branco.

Este plano foca-se nas 5 áreas temáticas:
  • Espaço Público
  • Edifícios e equipamentos da autarquia
  • Transportes
  • Informação & Comunicação
  • Infoacessibilidades


[^ Topo]